Verdades impróprias

Há certas verdades que no calor de amar parecem imutáveis.
São mentiras embebidas de um ácido sobre aquilo que acreditamos.
Em algum momento, quem você ama escorrega nas provas do que jurou.
Amor incondicional? Hmm ... sempre há uma condição.
Esperar e não aparecer? Nosso tempo é respeito.
Sumir e roubar todos os sonhos? É ... percebi que não eram seus.

Mas ficaram as verdades, daquilo que eu senti.
Ficou a saudade dessas verdades que eu não menti.
Quando a verdade se dissolveu no silêncio,
que agora só ecoa o passado, esfriou e virou um cadáver.
Tem corpo, tem forma, mas foi assassinada pela falta do sangue
que um dia nos nutriu de sensações juradas nunca termos sentido antes.

As verdades são impróprias, quando ferem coisas nobres.
Mas, melhor se apropriarem do que é real do que nos iludir com brilhos falsos.
Caminho em frente sem tua mão, que só agora percebi que não segurava firme na minha.
O horizonte já me abriu novos amanheceres, mas sei da sua extensão e dos perigos.
Há uma terra prometida para cada um de nós.
O solo espera, sementes que serão novamente regadas dia a dia, para uma frutífera árvore da vida.

Claus Jensen / Blumenau-SC / 12h15

1 comentários:

Nanda disse...

Ei Claus,

Passando para te desejar um Feliz Natal para você e toda sua família e um 2010 com muito amor, saúde, paz, sucesso e muitaa alegria. beijo

Postar um comentário