Outro corpo e alma

Faltou a frase
Deixei para uma outra fase
Que amadureça
E eu meça
Se há troca
Reciprocidade

O tempo escreverá com fatos
Os atos terão eco
E se na cadeia de montanhas
Haveremos de subir alguma
Em busca de um pico
Hastearemos uma bandeira de conquista

Há um rio, de águas turvas
Eu rio, e você ri, na hipnótica alegria
De como nunca percebemos a mesma margem
A ponte que nos convida a atravessá-la
E o perigo dela ruir não nos assusta
Porque o medo, é menor que a busca

Busco o que não tenho, e acho que teria
Meu vazio, parece ter sua forma
O encaixe perfeito, nenhum defeito
Aquele ser, que nenhum deus, pôde ser
Só não és minha, porque os deuses
Te escolheram outro corpo e alma.

Claus Jensen | Blumenau/SC | 29/01/11 - 23h50

0 comentários:

Postar um comentário